Espaços confinados: riscos e norma regulamentadora

A nossa nação é um dos países mais afetados por acidentes industriais e ocupa o quarto lugar no mundo, portanto, pode-se dizer que esse cenário de risco ocupacional existe em múltiplas indústrias, ou seja, não depende da natureza, que é um bom exemplo de tarefas arriscadas para funcionários afetados que trabalham em espaços confinados.


No entanto, para compreender totalmente todos os riscos e perigos enfrentados pelos funcionários ao prestar serviços em espaços confinados, o tipo de atividade deve primeiro ser conceituado e caracterizado.


Portanto, descubra o que é o espaço confinado, quais são os riscos ocupacionais e quão seguro é trabalhar neste ambiente.


Espaço confinado, conceito e características

Os espaços confinados referem-se a locais que não se destinam a ser uma residência permanente para uma pessoa e geralmente representam apenas opções limitadas de acesso e movimento. Portanto, um ambiente de trabalho fechado (espaço confinado) geralmente tem as seguintes características:


  • Baixa concentração de oxigênio;

  • Alta concentração de sulfeto de hidrogênio, metano, monóxido de carbono e outros gases tóxicos;

  • Baixo nível de ventilação natural;

  • Baixa visibilidade;

  • Locais de difícil acesso e sem rotas de fuga.


Conheça alguns exemplos de espaços confinados

Em muitos casos, os funcionários devem realizar tarefas em espaços confinados (especialmente aquelas que envolvem manutenção preventiva e corretiva).

Exemplo básico:


  • Galerias subterrâneas;

  • Obras subterrâneas;

  • Tanques (de água e/ou esgoto);

  • Dutos;

  • Chaminés;

  • Moinhos industriais;

  • Reatores;

  • Fossos;

  • Tubulações;

  • Silos;

  • Poços;

  • Elevadores.

Perigos ao trabalhar em espaços confinados

Devido à falta de ventilação natural e à presença de gases tóxicos no entorno, o envenenamento e a asfixia são, sem dúvida, um dos principais riscos enfrentados pelos trabalhadores da obra. Devido à luz insuficiente ou inexistente, a visibilidade é ruim, portanto, existem riscos físicos (quedas, escorregões e solavancos).


Outro risco que precisa ser considerado é o risco de explosão, pois pode haver altas concentrações de gases inflamáveis ​​(com pouca circulação de ar) em alguns locais, e a possibilidade de explosão é bastante elevada.


A Norma Regulamentadora

A Norma Regulamentadora 33 é responsável por definir parâmetros de identificação e medidas de segurança para espaços confinados. De acordo com a NR 33, obrigação do empregador:

  • Garantir a disponibilidade e disponibilidade de equipamentos de proteção individual (EPI) para todos os funcionários;

  • Identificar e divulgar locais da empresa classificados como espaços confinados;

  • Reconhecer e mitigar os riscos relacionados a espaços confinados;

  • Realizar prevenção básica de espaço confinado para funcionários Treinamento;

  • Para garantir que os funcionários sejam evacuados rapidamente e que o local seja fechado quando o menor sinal de perigo para a saúde aparecer.




Quais são os equipamentos de proteção individual para espaços confinados?

Os funcionários que trabalham em espaços confinados precisam do seguinte EPI:

  • Cintos de segurança;

  • Tripés, guinchos de resgate e instruções;

  • Equipamentos auxiliares de resgate (roldanas, guinchos, descidas e manilhas);

  • Capacetes de segurança;

  • Respiradores;

  • Luvas de proteção;

  • Sapatos fechados.

Assim, ao compreender o seu conceito e analisar as suas características, é fácil perceber a importância do tema “trabalhar em espaço confinado”, principalmente pelos riscos que acarreta para os colaboradores. Portanto, para as empresas que desejam reduzir o número de acidentes de trabalho em ambientes confinados, a NR 33 deve ser amplamente divulgada para garantir a saúde e a segurança no trabalho.